sábado, janeiro 15, 2011

Chile. Primeiras impressões.

Santiago é uma cidade vistosa, ruas largas, movimentação fácil. É bastante mais seco que Buenos Aires ou Porto Alegre, o que deixa o clima mais agradável no verão. E o povo daqui geralmente tem un senso de humor muito fino que me agrada muito, com algum elemento de nonsense.

Frutas, vinhos e peixes aqui são deliciosos. O "completo", cachorro quente com maionese, pimenta e abacate, é uma bomba calórica mas também muito gostoso.

Bueno, falar de música. Acabamos que fizemos uma pré-estréia do Cuarteto Renuevo ontem. Ervo Perez convidou a gente para participar do show do projeto solista dele, o Ojo. Serviu de prova de fogo, para ver como funcionaria a ligação entre o grupo ao vivo. Cada um de nós já tinha tocado com os outros membros do Cuarteto, mas nunca tínhamos tocado os quatro juntos.

E não é que foi melhor que eu esperava? Condução do show bem afi(n)ada, estamos trabalhando bem com dinâmica ao vivo, os timbres de cada um dos instrumentos está bem coerente com o resto, noção de tempo está boa. Enfim, foi bastante bacana - para uma primeira sessão conjunta, foi excelente -, e pode ficar melhor. Da minha parte, tou sentindo necessidade de ter um controle maior do volume da guitarra, pra poder fazer as minhas intervenções soarem mais claras. De resto, acho que está tudo perfeito e lindo. :)

E hoje fazemos a estréia oficial, show nosso, no teatro Piso 3, com participação do Ramiro Molina, guitarrista de improvisação daqui do Chile. E domingo, show no Taller Sol, no festival FOBIA.

domingo, janeiro 09, 2011

Fui. Mañana, MVD y BsAs. Nos vemos pronto.
Pela primeira vez, conseguimos nos reunir Armani, Rodrigo Avellar e eu para tocar juntos, anteontem. Para uma primeira sessão, foi muito supreendente. Ainda melhores virão.

Se alguém quiser ouvir a gravação ainda não masterizada, só tem em .WAV. 700 mega, divididos em 4 arquivos .RAR de 100 mega cada. Aqui:

quarta-feira, janeiro 05, 2011

Estou muito feliz de estar participando do projeto Rumos Coletivo do Itaú Cultural. :)

Fui selecionado para a categoria coletivo, onde vou ter um ano para desenvolver um show com músicos que nem ao menos conhecia pessoalmente antes(*): André Siqueira, Delia Fischer e Loop B.

A idéia é genial, o projeto mais afiado do ideal de descentralização que o Rumos Música busca. E, vamos combinar, é feita sob medida para improvisadores livres. O exercício da improvisação, o exercício de ouvir e entender em tempo real o que teus parceiros estão tocando é a melhor preparação que eu poderia ter. Tou ansioso pra começar o trabalho.

Ói o primeiro vídeo:



(*) Sim, a idéia do Rumos Coletivo é montar formações com músicos que não se conhecem, para desenvolver o trabalho do zero e documentar todo o processo.

Mas o Loop B é meu amigo já faz 16 anos. Conheci ele no BHRIF, em Belo Horizonte, em 94, fazer o quê? :) Mas a gente ainda não tinha tocado junto.